A Preguiça Não Existe

Preguiça não mata, mas...

Preguiça não mata, mas…

Saudações a você que acompanha o Vlog Eu Posso, Sim!

Fiquei uns bons dias sem publicações por questão de dúvida e mais…

Explico:

– Perdi meu gravador de áudio e a produção de meus vídeos estão impedidas;

– Mudei-me de estado, agora estou morando na Bahia;

– E para fechar o conjunto de mudanças com chave de ouro, minha esposa está grávida e teremos um lindo garoto que em breve dará as caras!

A dúvida se tratava de continuar ou não continuar sem vídeos. Mas lembrei-me de uma frase que um amigo me disse um dia:

“Feito é melhor que perfeito.”

Então, lá vai!

Costumamos ouvir pais reclamarem, ou mesmo amigos falarem que determinada pessoa é preguiçosa.

Bem, neste post de reinício, quero destruir essa ideia de tua cabeça, pois ao fazer isto, sei que você ganhará uma nova ferramenta para o seu sucesso profissional, pessoal ou até amoroso (acredite).

Bem, o que chamamos de preguiça?

Corrija-me se eu estiver errado, mas este bicho a esta coisa que chamam de preguiça não se trata da falta de energia para fazer algo? A preguiça não se trata de um estado em que o indivíduo não se anima em executar uma tarefa?

Preguiça é a mãe de todos os Vícios

Preguiça é a mãe de todos os Vícios

Agora, pensa comigo: esse mesmo indivíduo “preguiçoso” não é o mesmo indivíduo que se for convidado para fazer determinada coisa que ele gosta se anima todo?

Mesmo que isto signifique ir a uma festa, não parece contraditório que chamemos este indivíduo de “preguiçoso”, como se essa fosse uma essência do dito cujo?

O que quero te dizer é que a preguiça realmente não existe. O que existe é a falta de energia para algumas tarefas. A conclusão que podemos ter é que, se a preguiça de fato é ausência de energia para certas coisas, então todos nós somos preguiçosos em algum aspecto, certo?

Vamos avançar um pouco mais nesta ideia: a psicanálise nos ensina que esta energia se chama desejo. Que o desejo é a energia básica da vida, é a que faz com que sintamos prazeres, é o que nos motiva a fazer – quando ela está ativa – ou nos motiva a não fazer – quando ela não está ativa para aquela atividade.

Ou seja, agora vai ficar difícil você querer chamar o seu irmão de preguiçoso. Até porque você também tem essa “preguiça” relacionada a alguma atividade específica.

Mas o que fazer quando a nossa energia do desejo não está direcionada para algo útil como passar num concurso, crescer na empresa que trabalhamos ou investir no relacionamento que estamos apostando?

Eu gostaria de dizer isto de outra forma, mas acho que assim soa melhor:

A solução é tomarmos vergonha na cara e mudar de ATITUDE. Mudar de atitude é mudar de foco, mudar de ponto de vista em relação a determinada coisa.  É necessário procurar motivos pessoais naquilo que temos que fazer.

Note que estou falando daquilo que sabemos que necessita ser feito e achamos que não temos energia para fazer. É preciso que você encontre um prazer na atividade, um prazer seu, que tenha a ver com sua vida, que faça sentido para você, que te coloque no centro daquela atividade.

– “Mas João, e se eu não encontrar?”

Ora, muda de emprego, de relacionamento, de estratégia de ganhos…

Então, se você me disser que não encontra e também não quer essa “mudança tão radical assim”, eu te digo que você necessita de ajuda profissional. Consulte um de meus colegas psicólogos. São profissionais que vão te ajudar em casos como este, seja confiante.

Qualquer coisa, é só comentar aqui embaixo, beleza?

Se cuida e até a próxima!
João Lins.

Anúncios